WISC-III - A grande (colossal) decisão…

A WISC-III será sempre a escolha certa?

Estaremos a optar excessivamente pela WISC-III?


Tratando-se, provavelmente, de uma das medidas de inteligência mais conhecida dos Psicólogos, a WISC-III[1] ocupa um lugar de destaque quando se trata da avaliação do funcionamento cognitivo de crianças e adolescentes. Este reconhecimento contribui, de certa forma, para a ideia de ‘obrigatoriedade’ na sua utilização – mas será que faz sentido partirmos sempre da aplicação da WISC-III ou, inicialmente, poderemos explorar a área cognitiva através de outro tipo de instrumentos? E deveremos aplicar a totalidade da escala ou optar apenas por alguns dos subtestes? Afinal, que ‘pistas’ pretendemos retirar de uma WISC-III?

Com certeza, estas são algumas das questões com que os Psicólogos se deparam quando partem para a avaliação, levando-os a pesar os prós e os contras da aplicação desta escala de inteligência. Às vantagens de obter um indicador do nível intelectual e uma análise detalhada das várias facetas da inteligência (p.e., raciocínio abstrato, velocidade de processamento de informação, memória, competências de planeamento, etc.) juntam-se “desvantagens” como o tempo de aplicação e a complexidade dos procedimentos de administração, de cotação e de interpretação, aspetos com os quais muitos dos utilizadores da WISC-III se sentem assoberbados.



Para além do peso dos aspetos técnicos relacionados com a administração e interpretação da escala, que acabam por condicionar claramente o seu poder diagnóstico, a decisão de utilizar a WISC-III deverá ser bem ponderada. A escolha será, com certeza, acertada se, para além de refletir sobre o seu know-how na utilização da WISC-III, o Psicólogo tiver o cuidado de ‘respeitar’ o sujeito (evitando submete-lo a avaliações desnecessárias) e a escala (evitando a sua má utilização e banalização).

Em suma, a utilização da WISC-III não é, decididamente, para ‘caloiros’ – não basta querer aplicar a WISC-III, é preciso Saber e Saber Fazer (ter a capacidade e os conhecimentos para o fazer), Saber Agir e Agir (fazê-lo de forma competente)! À decisão de avançar para a aplicação da WISC-III acresce a responsabilidade de o fazer corretamente e de explorar adequadamente os seus resultados, questões que abordaremos nos próximos textos.
[1] Apesar da Pearson já ter lançado a WISC-V, a WISC-III é a versão mais recente que está aferida para a população portuguesa. Daí remetermo-nos sempre à WISC-III.

5 comentários

  1. Utilizo com alguma frequência a WISC III.
    Acho que é um bom teste de avaliação da inteligência, mas na minha opinião será urgente fazer uma actualização ou aferir a WISC V para a população portuguesa.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelo seu comentário.
    Concordo que já está na altura de começarmos a pensar na aferição da WISC-V (esta é a última edição da prova, publicada há relativamente pouco tempo).
    Todavia, apesar dos materiais (e de alguns itens) dos subtestes de realização se terem tornado desadequados com o tempo, a WISC continua a ser uma medida extremamente útil quando bem explorada.

    ResponderEliminar
  3. A WISC III, merce o meu respeito, por várias razões. Uma delas, o estar aferida à população portuguesa (reconheço que se calhar carece de mais estudos que permitam alargar a grupos portugueses minoritários, nomeadamente crianças e adolescentes de origem africana). 50 anos distaram entre a aferição anterior WISC e esta. Gostava, muito que a próxima aferição não levasse tanto tempo :-)
    O uso por caloiros é possível, pois só assim, se poderão aperceber da riqueza desta prova, após escolha adequada, para responder a determinadas hipóteses de diagnostico. Carecerá sempre de super visão. Mas, defendo que só fazendo, treinando, tendo oportunidade de fazer uso da aplicação das provas, treino da sua cotação se poderá crescer, desenvolver naquilo que é tão especifico da atividade dos Psicólogos: Avaliação Psicológica

    ResponderEliminar
  4. Ana Cristina Almeida20 de abril de 2016 às 08:58

    Gostaria de saber se enquanto mãe de um aluno, que fez um teste WISCIII, posso exigir uma cópia.
    Obrigado

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde,
    Poderá solicitar um relatório da avaliação. Desta forma terá acesso à informação relevante sobre o desempenho do aluno e à análise e interpretação dos resultados.

    ResponderEliminar

Escreva o que pretende e carregue na lupa para pesquisar