WISC-III – Especificidades sobre a administração e cotação (parte 2)

Para todos os que leram o texto anterior e que aceitaram o nosso desafio de calcular a idade cronológica aqui fica a solução: 14 anos; 10 meses e 26 dias. Parabéns aos que acertaram!

Nos próximos dois pontos iremos falar sobre: Como escolher a escala de Wechsler mais adequada? Regra de Retrocesso – quando e como?


Idades de aplicação

Em termos de aplicabilidade das escalas de Wechsler, existe uma sobreposição de grupos etários entre a WISC-III e a WPPSI-R e entre a WISC-III e a WAIS-III que, por vezes, levantam dúvidas quanto à melhor opção.

Nos intervalos de idade limites, como são o caso dos grupos etários dos 6 e dos 16 anos, nem sempre a aplicação da WISC se revela a mais adequada. Entre os profissionais que utilizam frequentemente esta escala existe algum consenso quanto ao que ter em consideração no momento da escolha: as características cognitivas do sujeito a avaliar.

  • Para o grupo etário dos 6 anos, é preferível recorrer à WPPSI-R caso existam evidências (ou suspeitas) de que o nível intelectual da criança se situa abaixo do esperado para a sua idade;

  • Para o grupo etário dos 16 anos, é preferível recorrer à WAIS-III caso se suspeite que o adolescente terá um desempenho acima da média.

Critérios de início e de interrupção dos subtestes

Para os subtestes Completamento de Gravuras, Informação, Disposição de Gravuras, Aritmética, Cubos, Vocabulário e Labirintos o item de início (i.e., o ponto de partida) é determinado pelo grupo etário a que pertence o sujeito. Nestes subtestes, o Psicólogo deverá está atento ao desempenho inicial dos sujeitos uma vez que, caso o sujeito não obtenha a cotação máxima nos dois primeiros itens, será necessário recorrer à Regra de Retrocesso. A utilização desta regra tem como objetivo definir o patamar de sucesso no desempenho do sujeito, ou seja, atendendo a que os itens estão organizados por grau de dificuldade, caso o sujeito realize com sucesso estes itens ‘iniciais’ significa que, com elevada probabilidade, resolveria com sucesso os itens anteriores e, como tal, faz sentido atribuir-lhe a cotação desses itens não realizados.

A utilização desta regra nem sempre é fácil e a nossa experiência diz-nos que esta é uma das áreas onde os psicólogos cometem mais erros.

Em que consiste a Regra de Retrocesso?
  • Esta regra só se utiliza se o sujeito não alcançar a cotação máxima nos dois primeiros itens que lhe são administrados. Basta que o sujeito obtenha insucesso (0 pontos) ou sucesso parcial (1 ponto em itens que têm como cotação máxima 2 pontos) no primeiro item que lhe é administrado para que, de forma imediata, seja utilizada a Regra de Retrocesso.

  • Esta regra aplica-se de duas formas:
1. Sequência inversa (utilizada no caso dos subtestes Completamento de Gravuras, Informação, Aritmética e Vocabulário)

O Psicólogo aplica os itens em sentido inverso até que o sujeito responda com sucesso a dois itens consecutivos (ou seja, recebe a cotação máxima em cada um deles). Por exemplo, em Completamento de Gravuras, se um sujeito com 13 anos obtiver 0 pontos no item 7 deveremos retroceder na administração, aplicando-lhe o item 6, o item 5, o item 4… (a aplicação em sentido inverso pára quando o sujeito responde corretamente a dois itens consecutivos). Quando é alcançado o critério dos dois sucessos a administração do subteste é retomada no ponto de início (neste caso aplicando o item 8).

Nota: o primeiro item administrado (neste exemplo o item 7) também deve ser contabilizado na contagem de sucessos em sentido inverso.

2. Sequência normal (utilizada no caso dos subtestes Disposição de Gravuras, Cubos e Labirintos)

O Psicólogo prossegue com o item 1 e aplica os restantes itens no sentido normal (i.e., item 1, item 2…). Nesta situação, o sujeito deve realizar todos itens que antecedem o ponto de início. Após a sua realização o Psicólogo retoma a aplicação, no ponto onde interrompeu para aplicar a regra de retrocesso.


Os critérios de interrupção dependem do subteste - o número de insucessos consecutivos varia entre 2 (p.e., Cubos) e 6 (p.e., Completamento de Gravuras). Embora a decisão de sucesso e insucesso seja relativamente fácil nos subtestes de realização, no caso dos subtestes verbais nem sempre esta deliberação é fácil ou rápida. Nestas situações, aconselhamos o Psicólogo a continuar com a administração do subteste… afinal, é preferível eliminar, a posteriori, estes itens extra do que constatar que o critério foi mal aplicado e que o subteste eventualmente terá de ser anulado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreva o que pretende e carregue na lupa para pesquisar