A importância da avaliação precoce na dislexia


A dislexia é uma perturbação específica da aprendizagem, caracterizada por défice ao nível das competências neurocognitivas de base à leitura – o reconhecimento correto e fluente de palavras e o processo de descodificação (Lyon, Shaywitz, & Shaywitz, 2003). As crianças disléxicas revelam uma leitura não fluente e despendem muito mais energia na atividade de leitura do que as crianças normoleitoras (Blomert & Vaessen, 2009). O Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais – 5.ª edição (DSM-5) recorre à expressão “Perturbação da Aprendizagem Específica com Défice na Leitura”, enfatizando a especificidade da dificuldade de aprendizagem ao nível da leitura e o fator de exclusão para os casos em que tal dificuldade se possa explicar inteiramente por um défice intelectual ou sensorial ou por uma escolarização deficitária.

Na população portuguesa a prevalência da dislexia de desenvolvimento é de 5% (Vale, Sucena & Viana, 2011). De notar que a percentagem de crianças com dificuldades ao nível da aprendizagem da leitura mas que não cumprem os requisitos para serem identificadas como disléxicas é duas vezes superior (12%; Vale, Sucena & Viana, 2011).

A intervenção ao nível das dificuldades de aprendizagem da leitura é tanto mais efetiva quanto mais precoce, precisa e completa for a avaliação. Como tal, se a criança apresenta dificuldades ao nível do 1º ano, a avaliação deve ocorrer de imediato, ao invés de se aguardar pela sua confirmação (e provável avolumar) no 2º ano. Uma avaliação rigorosa das dificuldades de aprendizagem da leitura e de escrita é a chave para a identificação de orientações precisas ao nível da intervenção.


A utilização da ALEPE na avaliação

A ALEPE avalia o nível de leitura da criança através da análise detalhada dos processos neurocognitivos, assim permitindo a identificação dos défices na base das dificuldades. A ALEPE é dirigida a alunos a frequentar o 1.º ciclo do ensino básico e tem como foco o processamento da palavra escrita e o processamento fonológico. As provas de avaliação do processamento da palavra escrita englobam o conhecimento das relações entre letras e sons, a leitura de palavras (com condição ortográfica simples, consistente e inconsistente) e a leitura de pseudopalavras (com condição ortográfica simples e consistente). As provas de avaliação do processamento fonológico incluem os testes de consciência fonológica e a prova da nomeação rápida de cores.

Em todas as provas é avaliada a exatidão das respostas e nas provas de leitura e de nomeação rápida é também avaliado o tempo de reação através do software ALEPE. Para cada prova ALEPE são indicados os percentis, a média, a mediana e o desvio-padrão e um valor crítico. Estes resultados são apresentados por ano escolar permitindo a comparação da criança avaliada com os resultados de crianças do mesmo ano escolar ou de idade equivalente. Quando uma percentagem de respostas corretas se encontra abaixo do valor crítico e/ou um tempo de reação acima do valor crítico, está identificado um processo em défice. Para uma descrição mais detalhada, aconselha-se a leitura do Manual.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Escreva o que pretende e carregue na lupa para pesquisar