Sabia que a Anorexia Nervosa foi a primeira perturbação alimentar descrita na literatura?



As perturbações alimentares caracterizam-se por uma alteração na alimentação ou no comportamento relacionado com a alimentação que resulta num consumo atípico ou numa ingestão alterada de alimentos, colocando em causa tanto a saúde física como a saúde mental.

A anorexia nervosa foi a primeira perturbação alimentar descrita na literatura médica (1874); em 1979 foi identificada a bulimia nervosa e já nos anos 80 foram reconhecidas a perturbação da compulsão alimentar periódica e o grupo das perturbações alimentares sem outra especificação.

Estas perturbações afetam de forma marcante os sujeitos que delas sofrem, podendo traduzir-se em inúmeras complicações clínicas, manifestando-se sintomas como queda de pressão arterial, tremores, aumento da sensibilidade ao frio, perda e enfraquecimento de cabelo e unhas, bradicardias e arritmias, convulsões, infertilidade ou incontinência.

As perturbações alimentares têm ainda consequências a nível social podendo provocar isolamento social e/ou dificuldade de estabelecimento de relações e momentos sociais positivos e significativos.

Em Portugal, um grupo de investigadores do Cintesis (Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde), em colaboração com a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, verificou que entre 2000 e 2014 o número de hospitalizações no âmbito das perturbações alimentares mantinha-se estável todos os anos, com a exceção da anorexia nervosa que duplicava os seus casos.

As internadas são sobretudo jovens mulheres – 87% – com uma média de idades de 26 anos, no entanto este problema começa muito antes. Como nos mostra um estudo realizado no hospital D. Estefânia, em Lisboa, que concluía que os doentes internados na Unidade de Internamento de Pedopsiquiatria com diagnóstico de Perturbações do Comportamento Alimentar, eram 91% dos casos raparigas com uma média de idade de 14 anos.

Para os profissionais que trabalham neste âmbito, para os estudantes de psicologia, e outros profissionais, que queiram saber mais sobre as perturbações alimentares, assim como pais, familiares e educadores de jovens nesta situação, o grupo Hogrefe tem publicados alguns títulos que podem ser ferramentas úteis na ajuda e compreensão destes pacientes:
Eating Disorders
Como lidar com os transtornos alimentares - Guia prático para familiares e pacientes



Bibliografia

Campos, Andreia, 2018, “Hospitalizações por anorexia nervosa duplicaram em 15 anos”, Público, 11 de dezembro, consultado em 27.03.20 
<https://www.publico.pt/2018/12/11/sociedade/noticia/15-anos-morreram-25-pessoas-anorexia-nervosa-portugal-1854104>

Sanches, Andreia, 2016, “Internadas com anorexia: têm 14 anos e ficam em média 51 dias no hospital”, Público, 13 de abril, consultado em 27.03.20
<https://www.publico.pt/2016/04/13/sociedade/noticia/anorexia-sao-boas-alunas-tem-14-anos-e-ficam-internadas-em-media-51-dias-1728846>

Aratangy, Eduardo Wagner, Buonfiglio, Helena Bonadia, 2017, Como lidar com os transtornos alimentares - Guia prático para familiares e pacientes, 1ª ed, Editora Hogrefe CETEPP, São Paulo

W. Touyz, Stephen, Polivy, Janet, Hay, Phillippa, 2008, Eating Disorders, 1ª ed., Hogrefe & Huber Publishers, Toronto

Sem comentários:

Publicar um comentário

Escreva o que pretende e carregue na lupa para pesquisar