Indicações para limpeza de materiais dos testes psicológicos


Uma das questões que os nossos clientes mais nos colocam, ultimamente, está relacionada com a limpeza e desinfeção dos materiais dos testes, após a sua utilização. É um tema muito premente, dado a pandemia de COVID-19 que estamos a vivenciar e, apesar de não existir uma resposta clara e objetiva a esta questão, procurámos reunir os conselhos de várias fontes neste artigo. 

A Direção Geral da Saúde (DGS) portuguesa emitiu um documento (aqui) com uma série de recomendações, dividida por áreas de atividade. No entanto, não existe na listagem uma área específica em que a atividade de um Psicólogo se enquadre. Podemos ter em conta, ainda assim, as indicações de limpeza de brinquedos numa creche, para o caso dos testes psicológicos que incluam materiais que se assemelhem a brinquedos (como cubos, carrinhos, martelos de plástico, etc.). Além-fronteiras, encontramos algumas recomendações de editores de testes psicológicos, como é o caso do próprio Grupo Hogrefe, da ARICD e da Pearson, e que apresentaremos, compilados de forma resumida, seguidamente. 

No entanto, todos os editores internacionais reforçam a necessidade de seguir, em primazia, as indicações de higiene e segurança dadas pelas entidades de saúde locais.


Indicações Gerais

  • Desinfete os materiais cuidadosamente antes e depois da sua utilização e peça ao examinando que lave as mãos antes e depois da aplicação da prova. Não toque nos materiais no espaço de tempo entre a sua desinfeção e utilização; 
  • Caso seja possível a utilização de luvas, verifique se o examinando não apresenta alergia ao latex; 
  • Durante a utilização da prova, não coloque os materiais diretamente no kit novamente; utilize vários sacos de plástico que se possam selar, identificados como “limpo” e “não limpo”, onde deverá colocar os materiais manipuláveis;
  • Desinfete regularmente as superfícies da sala onde realizar a aplicação do teste, uma vez que estas podem ser potenciais focos de contágio. 


Utilização de Cadernos de Estímulos 

A utilização de cadernos de estímulo é fulcral na aplicação de alguns testes psicológicos. No entanto, materiais em papel são difíceis de desinfetar com solventes uma vez que este tipo de desinfetantes pode danificar os estímulos e inutilizar as páginas permanentemente. Deverá considerar formas de contornar a situação, criando estratégias para que o examinando não necessite de tocar nos cadernos de estímulo. São alguns exemplos: 
  • Marque uma linha física (com papel, fita adesiva, entre outros) entre o caderno de estímulos e o examinando, indicando-lhe que em nenhum momento deverá ultrapassar a linha com nenhuma parte do corpo;
  • Aplique película aderente nas páginas do caderno que irá utilizar, garantindo que não altera a visualização das imagens nem causa reflexos;
  • Encoraje o examinando a apontar, em vez de tocar no caderno de estímulos;
  • Encoraje os examinandos que não apresentem dificuldades de expressão a dar respostas verbais, em vez de tocarem no caderno de estímulos, se isto for aode encontro às indicações de administração do teste;
  • Disponibilize um lápis (não afiado, devidamente desinfetado) ao examinando, para que este o utilize para apontar as respostas; pode, por exemplo, comprar vários lápis coloridos e permitir ao examinando que escolha a sua cor preferida; no final da sessão, ofereça o lápis ao examinando;
  • Disponibilizar aos examinandos adultos um apontador laser, para que estes possam apontar as respostas pretendidas;


Indicações de limpeza para materiais manipuláveis


Materiais macios e porosos que possam ser lavados

  • Coloque os materiais num saco de plástico que se possa selar até que possam ser lavados;
  • Lave-os com água quente e detergente, preferencialmente um que contenha lixívia delicada para cores;
  • Seque ao ar livre.

Materiais duros com superfícies não porosas

  • Lave os materiais com água e sabão de forma a remover todos os detritos e manchas que existam e depois seque-os com uma toalha limpa;
  • Aplique desinfetante nos materiais e deixe atuar durante, pelo menos, 10 minutos antes de os limpar com uma toalha; tome especial cuidado ao utilizar desinfetantes à base de álcool, uma vez que tendem a evaporar e podem não desinfetar completamente os materiais se as instruções não forem rigorosamente seguidas;
  • Enxague os materiais abundantemente com água e permita que sequem ao ar livre; o enxaguamento de acordo com as indicações do desinfetante é especialmente importante em materiais que o examinando possa colocar na boca.

Livros cartonados, blocos de madeira, cartões de estímulo e materiais com superfícies porosas que não possam ser lavados

  • Estes materiais não podem ser submersos em líquido ou pulverizados com desinfetante, mas na sua maioria podem ser limpos com toalhitas desinfetantes à base de álcool;
  • Deixe as superfícies secarem completamente depois de serem limpas com a toalhita;
  • No caso dos cartões de estímulo, pode optar por plastificá-los com película transparente, para facilitar a sua desinfeção.

No caso específico da Griffiths-III, a ARICD validou a utilização do spray desinfetante “– Dettol All-in-One Disinfectant Spray” na desinfeção do “Livro de Atividades” e dos seus componentes, bem como no “Urso Bear”, sem qualquer dano nos tecidos. Este spray deverá ser pulverizado no material e deixado secar ao ar.


Notas finais

Uma vez que o examinando deverá utilizar máscara e, se possível, luvas descartáveis, tenha estes aspetos em consideração ao interpretar os resultados de tarefas motoras.



Para a compilação destas indicações tivemos por base os seguintes documentos:
- Hogrefe “Telepractice and Safety”, documento interno.
- Pearson “Disinfecting testing materials”, publicado em junho de 2020
- ARICD, 2020, “The Use of Griffiths III equipment during the current pandemic” consultado a 15 de julho de 2020 <https://www.aricd.ac.uk/wp-content/uploads/2020/06/The-use-of-Griffiths-III-equipment-during-current-pandemic.pdf>


Sem comentários:

Publicar um comentário

Escreva o que pretende e carregue na lupa para pesquisar